Gráficos Carteira SmallCaps


Para visualizar o gráfico de uma empresa da Bovespa que não
esteja na Carteira Small Caps, insira o código no campo abaixo:

OK


A análise fundamentalista é de extrema importância para um investimento de sucesso, contudo, devemos também observar os gráficos, para ajudar-nos a observar o melhor ponto de entrada e de saída de determinado investimento em ações.

A seguir estão os gráficos dos ativos integrantes da atual carteira Smallcaps.

- Gráfico Anual: imagem em exibição;
- Gráfico Mensal: posicione o mouse em cima da imagem (espere carregar);
- Website: clique no código da empresa (ticker).

PINE4
BGIP4
BICB4
CTAX4
EZTC3
SGAS4
TGMA3
ETER3
CNFB4
MGEL4
TKNO4
CTSA3
EQTL3
HBOR3
SULA11
SLED4
PRVI3
GRND3
RAPT4
BEEF3
FHER3
MWET4
CEBR3
INEP4
ECPR4
GSHP3
BAUH4

Fonte dos gráficos: ADVFN Brasil
Leia mais...

Veja também

EZTC3 - Analise


Abaixo segue uma ótima análise da EZTC3 disponibilizada em um fórum de discussões da ADVFN. Contudo lembre-se sempre de analisar os dados e fazer uma análise PESSOAL de investimento.

 ------------

Para iniciarmos a análise da EZTC3, entendo que, primeiro, devemos saber de fato qual o seu valor patrimonial, ou seja, se ela fosse encerrada hoje quanto cada acionista receberia por cada ação da empresa.

Pelo que foi calculado abaixo cheguei ao resultado de mais ou menos R$9,95 em 31/12/2009.

Trata-se, portanto de uma empresa que atualmente está sendo negociada ABAIXO do seu valor patrimonial.

A medida do possível (não tenho muito tempo, pois possuo outras atividades) explicarei a todos como cheguei a este resultado explicando detalhadamente os itens abaixo.

EZTC3

1- Terrenos em estoque 239.655.000,00
2- Lucros a realizar 197.396.000,00
3 - CEPAC 48.407.000,00
4 - Caixa e disponibilidades Líquidos 61.500.000,00
TOTAL (SOMA ITENS 1 a 4) 546.958.000,00
Número de ações da empresa 146.724.120
Valor a ser acres. ao valor patr. (Total /n. ações da empresa) 3,73

Valor patrimonial (patrimônio Líquido) 6,22
Valor da empresa (no encerramento de suas atividades) 9,95

Explicação sobre o valor apurado acima.

1- Terrenos em estoque - É o valor contábil (valor de custo) dos terrenos lançados nas demonstrações financeiras da empresa.

2- Lucros a realizar - Refere-se às vendas já efetuadas pela empresa e ainda não apropriadas, ou seja, não levadas para a conta resultado (lucro ou prejuízo.). Isso quer dizer que se a empresa parasse de vender hoje e continuasse a construir os imóveis já vendidos ela ainda teria um lucro neste valor.

3 - CEPAC (documento que dá direito ao seu detentor de poder aumentar o potencial construtivo de determinadas áreas acima do que é permitido pela lei que disciplina a matéria)

4 - Caixa e disponibilidades Líquidos - são os valores que a empresa dispõe no caixa já descontadas todas as dívidas (empréstimos e financiamentos).

5 - Valor patrimonial - é o valor do seu patrimônio Líquido constante no seu balanço dividido pelo número de ações da empresa.

6 - Valor da empresa no encerramento de suas atividades - é o valor do seu patrimônio Líquido constante no seu balanço MAIS os seus ativos líquidos de quaisquer dívidas (itens 1 a 4)dividido pelo número de ações da empresa.

VALE RESSALTAR que os terrenos que a empresa possui em estoque não foram atualizados. Em sua grande maioria foram adquiridos em 2006.

De lá para cá tais terrenos valorizaram-se mais de 100% (cem por cento). Se considerássemos uma valorização de 100% em tais terrenos o valor patrimonial CORRETO da Empresa EZTC3 passa a ser de: R$11,58 (onze reais e cinquenta e oito centavos).

Continuando a nossa discussão sobre a empresa EZTC3 passaremos a falar sobre a REF.

REF é a margem bruta a apropriar antes do PIS, do CONFINS e das DESPESAS FINANCEIRAS.

A da EZTC3 é a melhor do mercado (47,8%) o que deixa a empresa em uma situação bastante confortável no que diz respeito as margem bruta (40%) e líquida (30%) anunciadas no guidance divulgado pela empresa.

Aliás, os próprios CONTROLADORES afirmaram em TELECONFERÊNCIA (08/03/2010) que a margem REF deixa a empresa confortável para assumir o que foi proposto no guidance não só em relação a 2010, mas também 2011.

Quanto aos valores anunciados em tal guidance (VGV lançamento de 700,00 a 900,00 milhões), entendemos que a empresa trabalha para atingir o valor de 900,00 milhões dado ao expressivo aumento das despesas administrativas e levando em conta que em TELECONFERÊNCIA (08/03/2010)os próprios CONTROLADORES afirmaram que "Esses objetivos que traçamos no guidance são conservadores"

Porém para efeito de estimativa de valor patrimonial em 31/12/2010, veja bem não estou falando em PROJEÇÃO DE PREÇO JUSTO VISTO QUE ESSE SEMPRE SUPERA O PRIMEIRO, iremos considerar de forma conservadora VGV de 700,00 milhões e margem líquida de 30% o que resultaria em um lucro anual de mais ao menos 210,00 milhões.

Levando-se em conta o valor contábil dos terrenos em estoque da EZTC3 com 100% de valorização, conforme fora explicado acima, mais o valor CONSERVADOR do LUCRO estimado para 2010, tendo em vista o guidance de empresa, o VALOR PATRIMONIAL DA EZTC3 no final de 2010 seria de ...

R$13,01 (treze reais em um centavo.).

Continuo a minha análise falando sobre recebíveis. Recebíveis são os valores que a empresa tem a receber em razão das vendas efetuadas.

Tais recebíveis são corrigidos desde a venda do imóvel.

Enquanto os imóveis estão em construção tais recebíveis e os custos das unidades vendidas são corrigidos pelo INCC.

Após a conclusão da obra estes recebíveis se tornam performados e passam a ser corrigidos pelo IGPM + 12% ao ano.

A EZTC3 possui um valor líquido de recebíveis da ordem de R$1.048,9 milhões. Deste valor R$223,4 milhões são recebíveis performados.

Estimando o IGPM em mais ou menos 4%, renderão em 2010 16%, ou seja, renderão para o caixa da EZTC3 o valor de mais ou menos R$40,2 milhões.

Os recebíveis não performados também geram receita para a EZTC3. Para sabermos o valor líquido de tais recebíveis basta diminuirmos do total de recebíveis da empresa o valor dos custos de construção e o valor do recebíveis performados.

Na EZTC3 o valor dos recebíveis não performados líquidos é de mais ou menos R$500,00 milhões.

Estimando em 3% o valor anual INCC, tais recebíveis não performados renderão à EZTC3 a quantia de R$15,0 milhões.

Levando em conta tanto os recebíveis performados quanto os recebíveis não performados o valor patrimonial da EZTC em dezembro de 2010 será da ordem de: R$13,32 (treze reais e trinta e dois centavos).

Até aqui apuramos mais ou menos, DE FORMA BEM CONSERVADORA, diga-se de passagem, qual o VERDADEIRO VALOR PATRIMONIAL da EZTC3, em 2009.

Projetamos também DE FORMA BEM CONSERVADORA, qual seria o seu VALOR PATRIMONIAL no final do exercício de 2010.

Entendo que os comentários mencionados anteriormente, já serviriam de forte argumento para a compra do papel, mas ainda tem mais, vamos a eles:

1- Dividendo: trata-se de empresa que distribui regularmente dividendo, isso para um investidor de longo prazo é ótimo, pois alivia bastante o CUSTO DE CARREGAMENTO do papel por um longo período.

2- Recebíveis performados: tendo em vista os empreendimentos a serem entregues até o final de 2010 estarão em torno de R$710,00 milhões no final do exercício de 2010, o que trará uma receita adicional à EZTC de mais ou menos R$110,00 milhões anuais.

3- Recebíveis não performados: trata-se de empresa que numa projeção CONSERVADORA irá aumentar em quase 70% o valor dos seus recebíveis totais neste exercício (2010) o que é bom para a empresa na medida em que os mesmos, como fora explicado, anteriormente geram para a EZTC3 receitas financeiras.

4- Dívidas: trata-se de empresa que não possui dívidas. Isso é muito bom porque pode pagar em dinheiro e dessa forma pode comprar melhor materiais de construção, terrenos para incorporação e etc. Além disso, se surgir uma crise de crédito, tem capacidade de lançar mão do seu caixa mais os seus recebíveis performados para financiar os seus produtos, ou seja, não depende de financiamentos de bancos.

5- Margem REF: trata-se da mais alta do mercado (47,8). Isso nos da à quase certeza, tento em vista o seu banco de terrenos e o fato de que a empresa conseguirá manter margens próximas às praticadas em período anteriores por causa do aquecimento da demanda, de que a EZTC3 conseguirá manter por pelo menos três anos MARGEM BRUTA DE NO MÍNIMO 40% (quarenta por cento) e MARGEM LÍQUIDA DE NO MÍNIMO 30% (trinta por cento).

6- Banco de Terrenos: Banco de terrenos bem localizados e focados na rentabilidade: 30% (trinta por cento) do banco de terrenos da EZTC3 e voltado para empreendimentos comerciais (Margem bruta de 50%), grande parte dele concentrado na região de Berrini, importante centro empresarial paulistano onde o metro quadrado de um empreendimento nos últimos anos subiu bastante e tende a subir mais visto que na região da Faria Lima, não se pode construir mais (A EZTC3 estuda o desenvolvimento de um projeto de LAJES CORPORATIVAS nesta área (Previsão de lançamento 2011)); 55% (cinquenta e cinco por cento) dele alocado para os padrões médios (39%), médio alto (11%) e alto (5%).

7- Contas a receber: as contas a receber possuem garantias reais visto que o próprio imóvel comprado garante a dívida.

8- Transparência: Trata-se da empresa mais transparente que eu vi até hoje. Seus relatórios são completos e de fácil entendimento. Seu departamento de RI e bastante eficiente (nunca demorou mais que 2(dois) dias para me responder algum questionamento).

9- Segurança: a companhia não se deixa levar por modismos ou por sugestões de analistas de mercado como as que levaram muitas empresas do ramo a serem incorporadas por outras ou a se endividarem a ponto de terem que fazer subscrição de ações em valores equivalentes a mais ou menos 50% do valor patrimonial para conseguirem recursos na época da crise (2008), como foi o caso da BISA3.

10- Indicadores: Trata-se de empresa em que se registra por três anos consecutivos histórico de crescimento expressivo em vários indicadores a saber: de lucros, de receitas de vendas de imóveis, de dividendo distribuído, de empreendimentos lançados e outros. Caso queiram confirmar tais números basta acessar as informações divulgadas pela própria empresa no link cujo endereço é o seguinte: http://ri.eztec.com.br/eztec2009/web/arquivos/EZTEC_PropostaAdministracao_20100 415.pdf

11- Crescimento sustentado por receitas geradas pela empresa: Trata-se de empresa que vem crescendo a taxas expressivas nos últimos três anos utilizando receitas por ela geradas em quase sua totalidade, sem necessidade, portanto, de se endividar ou de necessitar de créditos de entidades financeira. Se levarmos em conta os valores que a empresa tem em caixa mais os valores que terá de recebíveis performados no final de 2010 e também o fato de a cada venda de imóvel receber 20% à vista, podemos afirmar que, ainda que aumente muito o seu guidance em 2011, tal situação não se modificará.

12- Estrutura Organizacional: adota um modelo de negócio totalmente integrado, sendo dividida em 3(três) unidades de negócios: Incorporação, Engenharia e Construção o que lhe permite além de um melhor controle de suas atividades, redução de custos.

13- Área de atuação: sua área de atuação concentra quase 35% do PIB brasileiro e abriga a maior população do país aproximadamente 40 milhões de habitantes (Cidade de São Paulo, Região Metropolitana de São Paulo e interior de São Paulo). Mais que o dobro do segundo estado brasileiro em população: Minas Gerais com mais ou menos 19 milhões de habitantes.

14- Experiência empresarial dos sócios majoritários: A experiência empresarial dos controladores aliada ao fato de residirem em São Paulo há muito tempo faz com que os mesmos conheçam bastante sobre o mercado imobiliário de São Paulo o que permite à EZTC3, poder prever com antecedência aonde tem mais chances de ocorrer um BOOM IMOBILIÁRIO na região.

15- Risco x retorno: A relação RISCO x RETORNO de se investir na empresa para aqueles que não precisam de muita liquidez é baixíssimo, quase zero porque não possui dívidas, porque possui um valor muito expressivo de lucros a realizar e de recebíveis, porque consegue gerar lucro EXPRESSIVOS vendendo bem menos que as demais visto que a sua margem líquida e bem superior (RISCOS DE CONSTRUÇÃO MENORES), porque quase um terço de land bank está focado em empreendimentos comerciais, porque está abaixo do seu valor patrimonial, porque, tendo em vista as receitas financeiras advindas dos RECEBÍVEIS, podemos afirmar que já tem LUCRO GARANTIDO POR VÁRIOS ANOS.

16- Previsibilidade: Trata-se de empresa em que é possível prever antecipadamente como se portará no futuro devido à sua transparência, à abundância de informações divulgadas pela própria empresa e o seu RI, às novas normas que modificaram e que ainda vão modificar os lançamentos contábeis do setor de construção e etc.

17- Macroeconomia: A tendência do Brasil daqui para frente é ter a cada dia mais e mais pessoas ascendendo à classe média. No Estado de São Paulo, por ser responsável por quase 35% do PIB brasileiro e por ser o Estado mais populoso do Brasil, isso ocorrerá em maior número e mais rapidamente. Tal acontecimento beneficiará bastante a EZTC3 no futuro porque além de estar focada unicamente nesta região, 39% dos seus terrenos estão focados na classe média.

18- Liquidez: Trata-se de empresa que tem tido aumento de sua liquidez. Por isso passou a fazer parte do Índice Small Cap (SMLL) e do Índice Imobiliário (IMOB).


A EZTC3 possui tantas vantagens, principalmente em relação às demais construtoras, que talvez eu ainda tenha me esquecido de mencionar alguma.

Pelo acima exposto, entendo que estamos diante de uma oportunidade única, tendo em vista todos os fatores acima exposto, DE CONCENTRAÇÃO DE CARTEIRA EM UM ÚNICO PAPEL com uma relação risco x retorno ridícula.

Entendo que a DIVERSIFICAÇÃO DA CARTEIRA só se justifica quando não estão presentes, em um único papel, tudo o que fora acima comentado, o que não é o caso da EZTC3.

Eu, particularmente estou com mais de 80% da minha carteira concentrada em EZTC3. Mas, como diz o ditado popular “CADA CABEÇA UMA SENTENÇA”.

Apesar das inúmeras vantagens acima citada continua BASTANTE DEPRECIADA. Leia mais...

Veja também

EZTC3 - Agenda de Divulgação de Resultados 4T09



São Paulo, 1 de março de 2010 - A EZTEC S.A. (BOVESPA: EZTC3; Bloomberg: EZTC3 BZ) informa sua agenda de divulgação de resultados do 4T09:

Divulgação de Resultados 4T09: 08 de março de 2010 (após o fechamento do mercado)
As informações estarão disponíveis em nosso website: www.eztec.com.br/ri.



Período de Silêncio - Em linha com as melhores práticas de governança corporativa e "fair disclosure", a EZTEC inicia seu Período de Silêncio ("Quiet Period") no dia 17 de fevereiro de 2010 e encerra-o em 09 de março de 2010, após as teleconferências.

Para mais informações contate:
EZTEC S.A. - Relações com Investidores
Tel.: +55 (11) 5056-8313
E-mail: ri@eztec.com.br
www.eztec.com.br/ri

Sobre a EZTEC:
Com 31 anos de história, a EZTEC é uma das empresas com maior lucratividade entre as empresas de capital aberto do setor de incorporação e construção no Brasil. Com seu modelo de negócio totalmente integrado, a Companhia já lançou 57 empreendimentos, totalizando mais de 1,2 milhões de metros quadrados de área construída e em construção e 10.070 unidades. A EZTEC S.A. integra o Novo Mercado da Bovespa e é negociada com o código EZTC3. Leia mais...

Veja também

EZTC3 - Vendas Contratadas crescem 57,8% em 2009


São Paulo, 14 de janeiro de 2010 - A EZTEC S.A. (Bovespa: EZTC3; Bloomberg EZTC3:BZ) anuncia a prévia dos resultados operacionais do quarto trimestre de 2009 (4T09) e do ano de 2009. Os resultados aqui apresentados são gerenciais e estão sujeitos à revisão da auditoria externa. Os resultados completos e auditados do exercício de 2009 tem divulgação programada para 30 de março de 2010, após o fechamento do mercado.

No 4T09 a EZTEC retomou o seu foco em lançamentos no segmento residencial, lançando 5 empreendimentos, que representam um VGV próprio de R$92,3 milhões, crescimento de 29,3% em relação ao mesmo período do ano anterior. No ano de 2009, os lançamentos alcançaram R$505,8 milhões, crescimento de 15,9% em relação a 2008.

As vendas do 4T09 alcançaram R$99,5 milhões, crescimento de 108,5% em relação ao 4T08. No acumulado do ano, as vendas contratadas totalizaram R$564,8 milhões, 57,8% superior ao registrado em 2008. Das vendas de 2009, R$132,3 milhões são referentes a unidades lançadas em anos anteriores. A EZTEC encerrou 2009 com R$292,0 milhões em unidades em estoque.

Os resultados apresentados pela Companhia tem influenciando no aumento da liquidez: no comparativo do desempenho do 4T09 com o 1T09, houve um crescimento de 665,70% no número de negócios (331 negócios/dia) e aumento de 520,1% no volume financeiro negociado (R$2,6 milhões/dia). Como conseqüência do aumento de liquidez, em 04/01/2010 a EZTEC passou a fazer parte do Índice Small Cap (SMLL) e o Índice Imobiliário (IMOB) da BM&F Bovespa.

Para mais informações contate:
EZTEC S.A. - Relações com Investidores
Tel.: (55 11) 5056-8313
E-mail: ri@eztec.com.br
www.eztec.com.br/ri

Leia mais...

Veja também

Perspectivas setoriais para 2010


Varejo: O setor de varejo continuará sendo um dos mais beneficiados pela retomada da confiança do consumidor e pela contínua tendência de elevação dos ganhos salariais reais, turbinada pela política de valorização do salário mínimo. A atual paridade cambial, com o Real mais valorizado continuará a pressionar os preços dos fornecedores ante a concorrência com os produtos importados, contribuindo para o aumento das margens operacionais das varejistas. Indiscutivelmente o varejo foi pouco abatido pela crise. Os múltiplos fundamentalistas evidenciam que o mercado tem reconhecido este crescimento, diminuindo a margem de segurança do investimento.

Bancos Médios: os bancos médios atuam em diversos nichos especializados. De um modo geral, o ano mostrará a continuidade do aumento da relação crédito/PIB no Brasil, que ainda tem muito a crescer quando comparada a outros países. A diminuição das taxas de juros a nível mundial e no país também tem incentivado a ampliação do crédito.

Os bancos que focam nos empréstimos para a pessoa física, especialmente por meio do crédito consignado, continuarão a reação iniciada ainda no primeiro semestre de 2009, impulsionada pelo aquecimento do varejo e pelo aumento do nível de emprego. Quem foca os empréstimos para a pessoa jurídica, especialmente se for do setor industrial, são os últimos que estão saindo da estagnação no nível de empréstimo combinada com elevada inadimplência. A tendência é que a melhora começou no último trimestre de 2009 e se acentue desde o início de 2010. Por fim, há os bancos médios que atuam também no setor de seguros, que estão em forte expansão no país e devem continuar a apresentar ótima lucratividade. As cotações do segmento dos bancos médios foram das mais afetadas pela crise, caindo até mesmo mais de 80%. Após as espetaculares altas de 2009, algumas ações ainda estão em níveis muito atrativos. A preferência pode se dar pelos bancos que negociam próximo de Preço/Valor patrimonial por ação 1 e que exibiram antes da crise níveis muito bons de retorno sobre o patrimônio líquido. Em algum momento este nível de lucratividade pode convergir, valorizando ainda mais as cotações.

Indústria: A indústria foi o setor mais afetado pela crise, e que apresentou o pior resultado no primeiro semestre de 2009, quando comparado a 2008. Terminou o ano de 2009 com um dos maiores crescimentos relativamente ao mês imediatamente anterior e a tendência é que tenham um início de 2010 muito forte especialmente na comparação anual. Enquanto 2009 foi um ano de ajuste de estoques, 2010 começará como um ano de formação de estoques, o que eleva a sensação de demanda e a produção industrial. O lado negativo ficará com o prejuízo que o atual nível de câmbio traz para as margens operacionais das exportações, que continuarão tendo um nível bastante abaixo dos melhores momentos do setor. Além disso, este câmbio favorece a importação e parte do aumento das vendas no varejo certamente será atendida por meio delas. Nem mesmo a siderurgia estará a salvo da concorrência externa, uma vez que a China em pouco tempo passou de grande importadora a exportadora com excessiva capacidade produtiva. Capacidade esta que continuou crescendo em 2009 mesmo com a vertiginosa queda da demanda por commodities. Benefício maior, então, para as empresas mineradoras, pois a China não possui matéria prima de boa qualidade para produção siderúrgica.

Construtoras: as construtoras continuarão tendo a demanda positivamente afetada pelos fatores que interferem no desempenho do varejo, ao mesmo tempo em que o patamar de juros em níveis muito baixos para a recente história do país permite que uma gama significativa de interessados adquira imóvel. Há muito a crescer na relação crédito imobiliário/PIB, que não passa de 3% no país, quando em vários países é ao menos 10 vezes maior a relação. As construtoras que atendem a demanda da classe de renda mais baixa certamente será a mais favorecida. Significativa também continuará sendo a procura pelos imóveis de até R$ 500 mil, financiáveis por meio do Sistema Financeiro da Habitação, que possui os menores juros para o comprador. Há ainda, a venda de imóveis comerciais que tem apresentado excelente desempenho. Enquanto a taxa de juros estiver nestes níveis, certamente haverá atração para novos interessados. O investidor, no entanto, deverá ser bastante seletivo após as altas apresentadas em 2009 para as ações do segmento: É de se ressaltar que não serão todas as companhias que atendem a baixa renda que conseguirão ter os custos controlados a ponto de exibirem lucros que remunerem o capital empregado. O ideal é selecionar por empresas: a) com múltiplos interessantes, especialmente abaixo da relação P/VPA 2 e que demonstraram a manutenção de lucros mesmo diante da crise; b) que estejam reconhecendo receita inferior ao nível de vendas, elevando a probabilidade que venham a ter desempenho ainda superior em 2010 ao que apresentaram em 2009. O investidor deverá observar atentamente as mudanças contábeis que o setor estará sofrendo, por meio do qual a receita deixará de ser reconhecida conforme a evolução das obras e o nível de vendas para ser totalmente reconhecida no balanço quando da conclusão das obras.

Setor elétrico: O setor elétrico continuará sendo um setor defensivo. Num momento em que os preços das ações estão em níveis mais altos, são uma alternativa interessante, uma vez que as cotações costumam tanto subir menos que o mercado em período de alta, como cair menos quando a queda chega. O segmento deve ser beneficiado com a retomada da indústria. Há ainda diversas empresas no setor que projetam dividendos superiores a atual taxa SELIC. Se considerada a taxa real de juros, então, a atratividade fica ainda mais evidente, com várias empresas exibindo ganhos até mesmo o triplo acima deste nível. A preferência poderá recair pelas companhias melhor administradas conforme os indicadores de perda de energia e de qualidade e que tenham prazos de concessão mais extensos, não estando envolvidas no curto prazo nas discussões sobre a forma em que se dará a renovação. O perigo que tem rondado o setor, além deste do término das concessões, é que há discussões sobre a forma de cálculo das tarifas na ANEEL, objetivando a sua diminuição para os casos em que o mercado cresceu acima das expectativas. O setor também passará por mudanças contábeis que modificarão a forma de depreciação dos ativos, incrementando contabilmente os lucros das empresas em fase inicial de maturação dos investimentos e diminuindo o lucro daquelas que já haviam efetuado parte expressiva da depreciação.

Enquanto 2009 foi o ano das companhias com alto nível de caixa, 2010 tem grande probabilidade de representar o ano das empresas que estejam em segmento com demanda mais aquecida e com capacidade produtiva ociosa. Tais companhias poderão enfim aproveitar os investimentos que fizeram no passado e passar a exibir melhores resultados operacionais. As companhias com níveis de dívida pagáveis também estarão sendo favorecidas com a volta da liquidez e do menor nível de juros cobrado nos empréstimos.

(Anderson Lueders)


Leia mais...

Veja também